Luíza Dunas nasceu em Lisboa, que tem por sua terra oráculo, porto e pórtico das suas vi(r)agens.

Os escriptos surgem-lhe por obediência, assinalando imperativo que lhe inspira o cumprir de uma travessia revelatória de profundos, da qual se sente tão-só a decifradora e a primeira leitora.



terça-feira, 7 de janeiro de 2014


oração do guarda do anjo

a caminho do instante, guardo-te, meu anjo, na dádiva de vigília que me ensinas. vejo-te nitidamente na luz e na sombra, vulto indistinto. ao largo e à minha beira, cantas amor, nossa infinita irmandade.

meu anjo, perseverante narrador do inenarrável mistério, segredas-me a inocência e eu confesso-te a minha ignorância. oro por ti, oras por mim, tocamo-nos. revezamos. 

de espada benta em mãos, eis-me frágil. frágil, não indefesa, tão frágil, não inofensiva. sobretudo quente de noite e de sonhos, tábuas manuscritas por ti, ó guardador de omissos mapas.

Sem comentários:

Enviar um comentário