Luíza Dunas nasceu em Lisboa, que tem por sua terra oráculo, porto e pórtico das suas vi(r)agens.

Os escriptos surgem-lhe por obediência, assinalando imperativo que lhe inspira o cumprir de uma travessia revelatória de profundos, da qual se sente tão-só a decifradora e a primeira leitora.



sexta-feira, 9 de maio de 2014


Tudo é um antes, um secreto, uma cripta, uns escritos. D'Isso o corpo verbal, a respiração, a onda primordial. Depois os anjos, qual cegonha, a iluminar a via parental, encarnar, o parto, partir . Não há luz que desvele a luz, só a sombra, só o deserto, só o entardecer, só as cinzas, só os irmãos, só o amor, n'Isso.

Sem comentários:

Enviar um comentário