Luíza Dunas nasceu em Lisboa, que tem por sua terra oráculo, porto e pórtico das suas vi(r)agens.

Os escriptos surgem-lhe por obediência, assinalando imperativo que lhe inspira o cumprir de uma travessia revelatória de profundos, da qual se sente tão-só a decifradora e a primeira leitora.



quarta-feira, 5 de junho de 2013

meu irmão, meu guardião
sou aqui, sou a que de ti não parti
sei-o no teu sorriso a melar
em tua fronte iluminada está o sinal
meu olhar
nossa raça, o meu sol, o meu chorar
náufragos neste oceano de encanto sangue
águas de fogo do nosso irmano canto.

ao meu irmão Virgílio Augusto

Sem comentários:

Enviar um comentário