Luíza Dunas nasceu em Lisboa, que tem por sua terra oráculo, porto e pórtico das suas vi(r)agens.

Os escriptos surgem-lhe por obediência, assinalando imperativo que lhe inspira o cumprir de uma travessia revelatória de profundos, da qual se sente tão-só a decifradora e a primeira leitora.



sexta-feira, 8 de maio de 2015


sobre as águas da represa as verdes rãs por entre as malhas do manto verde, as borboletas brancas pousam nas brancas flores das couves, a sombra agora dourada como o sol, e o canto do cuco no adoçar da gingeira, da figueira, da videira, do pólen.

Sem comentários:

Enviar um comentário