Luíza Dunas nasceu em Lisboa, que tem por sua terra oráculo, porto e pórtico das suas vi(r)agens.

Os escriptos surgem-lhe por obediência, assinalando imperativo que lhe inspira o cumprir de uma travessia revelatória de profundos, da qual se sente tão-só a decifradora e a primeira leitora.



domingo, 23 de outubro de 2011

Beber, beber tudo, o todo
e cair, cair da superfície abaixo
até ao fundo, ao lodo
ao mudo, ao mundo - diz o lótus.

sábado, 22 de outubro de 2011

Quantas infâncias se perdem ao nascer (se) !

domingo, 2 de outubro de 2011



































falling

the daughter of the valley has arrived to the valley
she bows to the trees, she kneels 

the skin so soft in the wild
the sight of the far away so close
the gathering of the mountains
precious summer breathing softly
falling light so light into the fall.