Luíza Dunas nasceu em Lisboa, que tem por sua terra oráculo, porto e pórtico das suas vi(r)agens.

Os escriptos surgem-lhe por obediência, assinalando imperativo que lhe inspira o cumprir de uma travessia revelatória de profundos, da qual se sente tão-só a decifradora e a primeira leitora.



quinta-feira, 28 de janeiro de 2016



húmida noite, o mar vindo, névoas e silencio,
idos passos aqui, na pele jazem sonhos de nós,
nus beijos ante o céu de fundos véus, nossos clarões. 



segunda-feira, 18 de janeiro de 2016







meio dia,
sobre as águas, límpidas e cinzentas
chega o cântico dos sinos,
ave Maria.
 

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

noite de reis



pai solar ventre mater
corpo de luz temperar
noite magma, fundura
reis, irmãos e ouros.